sábado, janeiro 20, 2018

Um livro, um filme | Everything, everything


A história do Everything Everything cativou-me logo através do resumo. Apesar de a achar um cliché autêntico, a verdade é que parecia ter algo que a tornava especial. À primeira oportunidade, encomendei o livro e assim que o tive nas mãos, lancei-me a ele. Comprei a versão em inglês porque gosto de ler este tipo de livros mais "simples" na sua língua de origem. As falas e as interações que o livro tem - algo que me agradou bastante - fazem muito mais sentido em inglês, por alguma razão. 


Ora, passando à narrativa em si... Gostei muito do desenvolvimento deste "amor impossível". Para aqueles que não conhecem, a história fala sobre uma rapariga de 17 anos, Maddy, que tem uma doença - SCID - que a impossibilita de sair de casa desde que nasceu. 
A vida de Maddy dá uma pequena volta quando "conhece" (entre aspas porque, como disse, ela não pode sair de casa) Olly, o seu novo vizinho. Como qualquer história de amor adolescente literária, apaixonam-se à primeira vista e começam a trocar mensagens através das janelas da sua casa. Por alguma razão, este impasse entre os dois interessou-me bastante pois estamos habituados a que não haja este tipo de barreiras quando estamos a ler um romance. "Como é que isto se vai desenvolver se eles não podem estar juntos?", era a minha pergunta constante. Até que a médica de Maddy, que estava com ela o dia inteiro, permitiu que ele entrasse em casa, sem se aproximar muito dela. 
A partir daqui desenrola-se uma luta ainda maior para estarem juntos. Ao ponto de Maddy inventar que estava a tomar comprimidos que a permitiam sair à rua, para que Olly a pudesse levar para longe de casa, sem a sua mãe saber. E assim começa a pequena aventura deles, sem que Olly desconfia-se que Maddy estava a mentir em relação aos comprimidos, já que não apresentava sintomas que confirmassem a sua mentira... até ao dia em que se começa a sentir mal e vai para o hospital de emergência. 
E é aqui que toda a história é arruinada, pelo menos na minha opinião. Quando finalmente acreditamos na doença de Maddy - sim, porque eu sempre desconfiei que não havia doença nenhuma, na minha cabeça a doença não combinava com o final do livro -, eis que Maddy realmente fica tão mal que tem que voltar a ser "prisioneira". Até que recebe um e-mail da médica que a tratou no hospital a dizer que achava que Maddy não sofria de SCID... O QUÊ?! Devo dizer que este final me deixou um tanto... desiludida. No início acreditei que a doença não era verdadeira, que era inventada pela mãe, de modo a mantê-la em casa com ela, mas depois de Maddy se ir abaixo e de toda a situação retratada no livro, acreditei mesmo que a doença era, afinal, verdadeira... Para que depois me tirassem, novamente, a credibilidade toda. Não gostei do final. No início, a história começa como um cliché, mas com o desenrolar da narrativa mostra-se uma história que afinal tem esperança. Até terminar da forma que termina.

Vi o filme meses mais tarde, sem vontade nenhuma, para ser sincera. Mas o filme acabou por ser uma surpresa. Se eu vos disser que gostei mais do final do filme do que do livro, acreditam? A história foi exatamente a mesma, mas o filme deu-lhe aquele "je ne sais quois". Foi um cliché autêntico na mesma, atenção, mas acho que, de certa forma, as personagens fazem-nos apaixonar pela história e fazem-nos torcer para que tudo se resolva entre elas. Damos por nós a desejar que Maddy não esteja doente e que ambos sejam felizes para sempre.

via google

No geral, o Everything Everything, apesar de ser a típica história de adolescentes, tem um bom contexto. Apesar de ser bastante irrealista, é uma história ternurenta, cheia de expetativas e desejos, pelo que a Nicola Yoon está perdoada por todas as emoções que me fez passar. Neste caso, devo dizer que em relação à história em si preferi o livro, mas o final do filme tem sem dúvida o meu voto.

Onde comprar: WOOK (ao comprarem o livro através deste link, estão a apoiar o crescimento do all the bright places).

1 comentário

  1. Esta publicação está repleta de spoilers, mas ainda assim suscitas-te a curiosidade em ler este livro, e ainda mais de ver o filme!

    ❥ Biju da Ju,
    juvibes.blogspot.pt

    ResponderEliminar

© all the bright places . Design by FCD.