segunda-feira, junho 11, 2018

BOOK REVIEW | Dentro do Segredo - Uma viagem na Coreia do Norte, de José Luís Peixoto


Dentro do Segredo – ou, como eu gosto de lhe chamar, a minha estreia no mundo literário do Peixoto –, é o livro ideal para qualquer amante de literatura de viagens. Se já conhecem Peixoto, não é segredo nenhum que o autor tem muito jeito com as palavras, tornando a leitura numa leitura fácil, acessível e, ao mesmo tempo, interessante. Como disse mais acima, Dentro do Segredo foi o primeiro livro que li de José Luís Peixoto, e sinto que não poderia ter começado com um livro melhor. Já pedi algumas sugestões a uma amante de Peixoto, por isso, não será o último livro que irei ler dele.

Sempre me interessei pelo Oriente, mais especificamente pela Coreia. Apesar de achar super interessante outras culturas orientais, o facto de não sabermos quase nada sobre a Coreia (mais especificamente a do Norte do que a do Sul), dá-me imensa vontade de ler tudo o que posso sobre a mesma. Assim, por sugestão de uma colega que sabe que eu adoro tudo o que tenha a ver com a Coreia, mergulhei na aventura que foi esta viagem rara para qualquer estrangeiro que queira pôr lá os pés, e que Peixoto teve a oportunidade de fazer. Como não vejo uma única possibilidade de alguma vez lá ir, ao menos fico com a sua perspetiva.

Se pensam que sabem tudo sobre a Coreia ou sobre a forma como eles vivem, enganam-se. A imagem que a media passa para cá, apesar de corresponder de certa forma, não é a imagem que define a Coreia do Norte. Sim, é um país democrático, que vive ao rubro a política e venera completamente os seus ditadores – aliás, Peixoto teve a oportunidade de visitar casas de famílias tipicamente norte-coreanas e diz que a única decoração presente na sala de estar são duas fotografias dos antigos ditadores Kim Il-Jung e Kim Jong-Il). Mas não são pessoas tão sérias quanto isso, e Peixoto faz questão de frisar isso logo nas primeiras páginas, quando é convidado a dançar com um grupo de coreanos, no meio da rua. Peixoto afirma, sim, que é um país altamente restrito. Logo à entrada, foi-lhe retirado o telemóvel e foi proibído de fotografar o que quer que fosse. Ao longo da sua viagem, que durou duas semanas, contactou os seus filhos duas vezes, sempre com supervisão. 

Peixoto mostra também um contraste que se vive na Coreia do Norte. Temos sempre a impressão que países como a Coreia são países desenvolvidos, avançados, mas na Coreia do Norte não parece ser esse o caso. Na capital, Pyongyang, sim, existe uma enorme qualidade de vida, mas fora das suas redondezas, Peixoto descreve-nos uma Coreia pobre, miserável e desafortunada. 

O que mais me intrigou neste livro, foi a expressão que Peixoto usou para descrever a sua viagem. Segundo ele, parecia que tudo tinha sido ensaiado para os receber. Dava a sensação de que nada daquilo acontecia no dia a dia, que todas as celebrações, as cereminónias de boas vindas, a gastronomia, parecia que serviam apenas para que os turistas ficassem com uma impressão diferente da Coreia, para que pudessem contar ao mundo que aquilo não é tão mau quanto toda a gente pensa.

Sem dúvida que este livro ajudou, de certa forma, a ter uma nova perspetiva da Coreia. Ainda assim, continua a ser um país místico, que deixa muitas questões no ar. Caso tenham a possibilidade de ler este livro, leiam. Se gostarem tanto destas histórias sobre países orientais como eu, de certeza que vão amar cada palavra. Para além de ser um tema interessantíssimo, a escrita do Peixoto é fantástica – e eu que normalmente não aprecio a escrita de muitos escritores portugueses – e não dá vontade de parar de ler. Já vos sugeri vários livros, mas este sugiro fortemente que o leiam. Vale muito a pena.

O meu coração existia dentro de mim. Todas as luzes estavam apagadas. Corri sozinho na direção do rio Taedong. Havia milhares e milhares de pessoas nas suas margens. Através do negro opaco, passava entre elas. A única claridade vinha do céu, da enorme quantidade de foguetes que rebentavam havia quase uma hora ao longo de quilómetros de rio. Mas ali, ao meu lado, na escuridão total, ninguém baixava a voz ou o olhar quando me via, a minha presença não era sentida. Durante aqueles minutos, fui norte-coreano.
- Excerto introdutório ao livro. 

1 comentário

  1. "Dentro do Segredo" é dos livros que mais quero ler, exactamente por retratar a vida "misteriosa" da Coreia do Norte! Ainda não li nada de José Luís Peixoto, mas fico contente por teres dito que este é um belo livro para iniciar no "mundo Peixoto" :)

    Beijinhos, Ensaio Sobre o Desassossego

    ResponderEliminar

© all the bright places . Design by FCD.